Design e saúde, pesquisa de Patrícia Campinas

paty_campinas

Compreender o campo do design como um processo – ou ciência – para resolver problemas permite que sua prática seja aplicada nas mais variadas áreas: da gráfica à social. A erradicação de uma doença, por exemplo, é um problema complexo, que exige a articulação de saberes, sobretudo na área de comunicação, uma vez que é através de campanhas que a população é conscientizada acerca da necessidade de vacinação para combater a doença. O personagem Zé Gotinha, desenvolvido pelo Ministério da Saúde brasileiro para ilustrar a campanha contra a poliomelite, é um exemplo de modelo comunicacional em Saúde Pública com eficácia já demonstrada.

Gabriel Patrocínio, designer, professor de design no IFHT/UERJ e ex-diretor da ESDI, Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ, doutor em políticas de design pela universidade de Cranfield, Reino Unido, lançou em julho de 2018 pelo Sebrae nacional, o livro Políticas de design e propriedade intelectual – demandas para uma nova era. No livro Patrocínio aponta dados que pretendem, acima de tudo, estimular a integração entre os segmentos envolvidos e o desenvolvimento de políticas atualizadas para o setor, e com a expectativa que o material sirva ainda de suporte didático para o avanço dessa discussão dentro dos diversos segmentos envolvidos.

A sistematização de formatos efetivos em termos educacionais é um dos desafios desta ampla área de conhecimento, e a disseminação de pesquisas acadêmicas que busquem essa finalidade merece destaque. Patrícia Campinas, designer, mestre pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo e professora da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, desenvolveu durante seu mestrado a dissertação Articulação de Linguagens nos Modelos de Comunicação para a Saúde
Pública: O personagem Zé Gotinha e o Cinema de Animação, sob a orientação da professora Irene de Araújo Machado, e participou da segunda roda de conversa do grupo Arte, transformação e identidade (ATI), em agosto de 2018, falando sobre seu trabalho e também sobre a adaptação de um projeto acadêmico para o formato de livro.  Atualmente em produção, o livro de Patrícia deverá ser lançado pela Pantera Editora entre 2018 e 2019.

Patrícia lembrou, entre outras coisas, como tomou conhecimento, durante sua pesquisa, que o personagem Zé Gotinha, apesar da grande aceitação do público, quase foi abandonado em função de mudanças de gestão. A análise de Patrícia vai além dos elementos estéticos, mas não os desconsidera: “Os modelos de comunicação em saúde
são linguagens modelizadas que oscilam entre os sistemas semióticos científicos e os artísticos, sendo necessária a equalização entre ambos para assim comunicar, sensibilizar e informar em mesma medida”.

O segundo encontro do ATI também analisou o texto Uma carta para um amigo que morreu, uma criação do poeta Joe Arthuso, que integra o livro Besta Essência, lançado pela Editora Penalux em 2018.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s